Pensentires em Prosas, Versos e Sonhares.

Voar junto e dar ASAS aos Sonhos, amplia possibilidades, de viver-se intensamente.

Áudios

Flor despedaçada ( José Augusto) Juli
Data: 23/12/2007
Créditos:
Texto: Flor despedaçada
Publicado no Recanto das Letras em 01/08/2007
Autor: José Augusto de Oliveira
Voz: Juli
Música: Começo meio e fim
Arranjo e execução - Antônio Ayrton
Agradecimentos - José Augusto e Antônio Ayrton pelos PRESENTES-luz


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Flor despedaçada
Pelas campinas fluminense,
Esvoaçando
A esmo,
Em miríades evoluções,
Encontramos Juli.
Pequenina flor,
Em pétalas despedaçadas,
Fragmentada.
Ao sabor do vento,
Sem destino,
Desencontrada.
Arcoirizadas suas pétalas,
Indecifráveis,
Enigmatizadas,
Às vezes,
Carregadas,
Jogadas pelo vento,
Recompõem-se,
Originalmente Juli.
Decompõem-se,
Infinitamente Juli.
Sem destino,
Na busca do eu,
Gira, rodopia,
Rola, salta,
Ri, chora, espanta-se,
Ira-se.
Mas, pasmada,
Sempre Juli,
Embora despedaçada,
Fragmentada.
Juli,
Jovem,
Única,
Liberta.
Incompreendida?
Sim,
Não.
Compreendida?
Quem sabe,
Talvez,
Mas...
Na busca do
Seu eu,
Sempre
Juli.

Dedico este poema a amiga deste segundo, Juli, e talvez, quem sabe, até a eternidade... Eu desejo.
Enviado por Sagüi em 01/08/2007

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras